Comportamento, Desenvolvimento Pessoal, Organização, Planejamento

Você precisa manter sua mente em um lugar de cada vez

Pare de pensar em casa quando estiver no trabalho e no trabalho quando estiver em casa!

Quantas vezes você já se pegou preocupado com as atividades do trabalho quando estava em casa e pensando no que tinha pra fazer em casa quando estava no trabalho? Eu já fiz muito isso, ainda faço às vezes mas agora com menos frequência.

É difícil encontrar o equilíbrio quando você tem tantas preocupações e responsabilidades no dia a dia e que nem sempre estão vinculadas entre si. Você pensa na família e nas pendências de casa no trabalho e pensa nos relatórios e reuniões do trabalho em casa. O tempo todo está se preocupando com o que deveria estar fazendo ou em outro lugar deveria estar. E a única coisa que isso te trás é culpa e distração o tempo todo, te deixando cada dia menos produtivo no trabalho e mal-humorado em casa.

Para te ajudar a melhorar essa situação, aqui estão algumas das táticas mais importantes que eu uso sempre que me sinto dessa forma.

Livre-se da culpa

A culpa serve a um propósito. É uma maneira de policiar nosso próprio comportamento, de nos impedir de fazer coisas socialmente ou moralmente inadequadas. Mas a culpa pode se tornar viciante, de certa forma. Existe um estudo apresentado no livro The Upward Spiral, dizendo que a culpa e a vergonha literalmente ativam os centros de recompensa do cérebro.

Então, da próxima vez que você se sentir culpado, pergunte a si mesmo, essa culpa está servindo pra alguma coisa? Está te estimulando a fazer melhor, a ser melhor? Ou só está servindo pra te desanimar e te fazer desistir dos seus objetivos?

Se for a última opção, encontre alguma autocompaixão por si mesmo. Identifique exatamente o que está fazendo você se sentir culpado. Não há exatamente certo e errado. Você possui responsabilidades diferentes e elas exigirão sua atenção em momentos e locais distintos. Aceite a realidade de onde você está e foque na próxima ação possível que você pode executar naquele momento. 

Nesse ponto o método de organização e produtividade GTD (Getting Things Done) foi imprescindível para a minha mudança de comportamento. Você basicamente precisa de uma estratégia para redirecionar seu cérebro a atuar conforme as situações e contextos em que se encontra. É tipo um plano “If-then” – Se a situação X surgir, então eu farei Y. Se estiver em tal lugar, farei tal coisa.

Seu cérebro funciona assim: Pensamentos intrusivos que provocam uma forte reação afetiva recebem prioridade de processamento em sua mente e atrapalham sua capacidade de atingir sua meta principal. Em outras palavras, quando você tem esses pensamentos e essa culpa, seu cérebro passa muito tempo focando neles, e isso prejudica a sua capacidade de se concentrar na tarefa que tem em mãos.

É isso que impede você de ser mais eficiente no trabalho quando pensa no que está acontecendo em casa. E evita que você se envolva em casa quando estiver pensando em trabalho, por exemplo.

Método GTD 

O GTD me ensinou que devo tirar tudo da minha cabeça e colocar em um sistema confiável, todas as minhas preocupações e obrigações, criando uma espécie de caixa de entrada com as informações do meu dia a dia. Isso é o que o David Allen (criador do método) chama de captura. É você esvaziar sua cabeça de todas as coisas que te fazem ficar pensando em momentos inoportunos, e registrar tudo em um lugar separado.

O próximo passo é esclarecer essas anotações. Pare um instante do seu dia (ou mais vezes ao dia, conforme você se sentir melhor) e processe todas aquelas informações que foram capturadas. Esse processo é o que vai fazer você decidir a próxima ação de cada pensamento que estava sobrecarregando sua mente. Para cada item que você anotou faça a pergunta: Qual a próxima ação a ser executada para resolver isso? Somente eu posso fazer ou posso delegar para outra pessoa? Eu posso resolver em menos de 2 minutos?

Você vai perceber que algumas coisas que capturou nem exigem nenhum tipo de ação e pode simplesmente removê-la da lista. 

Nos demais casos faça o seguinte:

  •  Se a tarefa pode ser delegada, delegue! Não tente abraçar tudo, saiba priorizar as coisas e use sua energia para o que for realmente necessário.
  • Se você pode resolver tarefa em menos de 2 minutos faça na hora. Não deixe acumular pendências para você ficar se preocupando à toa depois.
  • A última opção é quando você mesmo precisa resolver a tarefa e não pode executá-la naquele momento porque exige mais tempo ou circunstâncias específicas. Nesse caso, você irá adiar a ação e colocá-la numa lista de próximas ações.

Lista de próximas ações

A organização da sua lista de próximas ações deve ser feita levando em consideração contextos e situações que estejam de acordo com a necessidades exigidas para execução das suas tarefas. Por exemplo: se você colocou que precisa comprar o remédio do seu filho, essa ação só poderá ser executada quando você estiver na farmácia. Então você pode colocar essa ação na lista de itens a fazer na rua.

Agora se a sua pendência é pregar o quadro que ganhou de presente na parede da sala, essa atividade deverá estar na lista de tarefas de casa, pois você só conseguirá executá-la quando estiver em casa.

Entendeu a ideia? Você precisa contextualizar suas ações para se preocupar com elas apenas quando realmente pode fazer algo a respeito, do contrário apenas estará aumentando o nível de estresse da sua cabeça e ficando cada vez mais decepcionado com a sua performance pessoal.

Vou deixar aqui um exemplo de lista de próximas ações para ilustrar a explicação e te ajudar a implementá-la.

* Casa
Pregar o quadro na parede da sala.

* Computador/Internet
Enviar e-mail para o médico com o resultado dos exames.

* Celular
Ligar para a vó para combinar sobre a visita do final de semana.

* Rua
Passar na farmácia para comprar remédio.

* Aguardando resposta
Aguardando resposta pelo Whatsapp sobre execução da tarefa X que foi delegada a Fulano.

* Assuntos a tratar
Quando encontrar Fulano lembrar de falar tal coisa.

Esses são alguns dos passos que o Método GTD ensina. Se você tiver mais interesse sobre ele me avisa que eu publico mais coisas aqui. 😊

2 Comments

  1. Avatar

    Rafael Trindade

    Olá,
    GTD pode ser sempre adaptado para a realidade de cada um, não é mesmo ? No meu caso, o @Contexto não funciona muito bem. Explico por que.
    Digamos que eu tenha o seguinte.

    – Fazer compras ( no dia X, tenho uma lista, como sei o Mercado que vou, coloco como sendo um compromisso na agenda, linkando para a lista de tarefas, seja no Evernote ou GoogleKeep – No Keep são lista menores, no Evernote é a lista de compras permanente )

    – Compra de remédios ( como já sei qual a farmácia mais barata, eu já adiciono como sendo de fato um “compromisso”, pois tenho de ir buscar na farmácia.

    Enfim, penso desta forma, e aí, organizo a minha agenda de compromissos, junto a tarefas que preciso fazer na @rua.

    Ou seja, na realidade, o que eu faço é: Monto tudo o que preciso fazer, tarefas e compromissos na semana, e, se tiver alguma “tarefa” que tenho de realizar na rua, eu transformo como sendo um “compromisso”.

    Digamos que o mercado, fique dentro de um Shopping, e neste tem uma farmácia, eu aproveito e passo nela para ver se o preço se aproxima da farmácia da qual eu tenho de ir, de fato, se o preço bater, já realizei o compromisso, senão, assim que sair do mercado ( organizo a ordem dos eventos ), vou na farmácia comprar.

    Enfim, adaptamos conforme nossa necessidade, o uso de GTD.

    Parabéns pelo site.!

    Passei a seguir no Twitter também!

    Abraço

    • Avatar

      Adrielle Anschau

      É bem essa a ideia Rafael. O GTD é um ótimo método, principalmente pq permite que adaptemos para a nossa realidade. Somos seres diferentes, com rotinas e percepções diferentes, não há um sistema genérico que seja eficiente para todos. É a forma como utilizamos as ferramentas e métodos que fará com que tenhamos resultado.

Leave a Reply

Theme by Anders Norén

%d blogueiros gostam disto: